Províncias

MOXICO

Área Total
223.023 Km2

População
727.594

Temperatura
23ºC

Clima
Tropical Húmido

9 Municípios

 

 


A província do Moxico situa-se na zona leste de Angola e é a maior província com uma área de 223.023 Km2. Apresenta-se como uma região plana relativamente uniforme, coberta por um manto arenoso do Kalahari, que descai suavemente para leste e para sul, com altitudes compreendidas entre 1.000 e 1.500 metros formando as “anharas” ou “chanas”, extensões planas cobertas de herbáceas e sujeitas a inundações mais ou menos prolongadas durante a época das chuvas.

É constituída pelos seguintes municípios:

Moxico (Sede Pronvicial) – Administrador Bento Luembe Paulino
Alto Zambeze – Administradora Adelina Chilica
Bubdas – Administrador Alberto Calumbi Mutunda Keshipoco
Camanongue – Administrador Zaqueu Isaac
Léua – Administrador Artur Emanuel Lemos Sapalo
Luacano – Administradora Ana Filomena Chipóia
Luau – Administrador Juvenal Capula Mutunda
Luchazes – Administrador Moises Cambambe
Cameia – Administrador Rodrigues Chipango Sacuaha.

Capital é Luena, outrora apelidada de Vila Luso. Está a 1.314 Km de Luanda e a 265 Km de Saurimo.

Clima

O clima é tropical quente e húmido com temperatura média de 22ºC e as características duas estações: chuvosa e seca.

População

A cultura local é constuída pelas tribos Tchokwes, Luchazes, Luvales, Umdundus, Lunda-Dembos, Bundas além de outros grupos étnicos linguísticos menores. A lingua mais falada é o Tchokwe.

Estas populações tem conhecimento razoável do meio onde vivem e tentam tirar partido disso. São povos que geralmente se dedicam a um tipo de agricultura quase que apenas de subsistência, na medida em que os recursos naturais lhes proporcionam importantes proveitos com a caça, a pesca fluvial e a recolha de mel e cera.

Praticam o culto dos antepassados e veneram os “mais-velhos” e as suas crenças mágico-religiosas são muito fortes, determinando a vida económica e social.

As instituições do poder tradicional no Moxico têm suporte na religião, no parentesco e na organização social.

A base da alimentação é o xima, feito de farinha de mandioca, que pode ser complementado com ervas, folhas de mandioca, feijão ou carne de caça ou peixe.

Acessos

O aeroporto de Luena recebe aviões de grande porte. Para pequenos aviões, há aeroportos no Cazombo e Lumbala Nguimbo.
O acesso por estrada pode ser feito pelas duas Lundas, Malanje, Kwanza-Norte e Luanda.

Economia

Historicamente a agricultura constitui a base do desenvolvimento sócio-económico da Província, tendo como culturas fundamentais: arroz, mandioca, hortícolas, milho, massambala, massango.

O Moxico possui produção de massango, batata doce, citrinos, girassol, vielo, arroz, mandioca, milho, madeira. Na pecuária é um produtor da carne bovina.

Nesta província angolana há extração dos seguintes minérios: carvão, cobre, manganês, ferro, diamantes, ouro, volfrâmio, estanho e milibdénio, urânio, lenhite e a indústria presente é de materiais de Construção.

Há uma grande pesca artesanal na região, visto que o Moxico possui diversos rios, lagos e lagos. Nas estações chuvosas esta potencialidade é estendida, visto que muitas regiões da província alagam-se.

Existe grande exploração florestal nos municípios de Moxico (Chicala, Cangumbe, Lungué-Bungo), Camanongue, Léua (Chafinda), Luau (Ngoana) e Alto Zambeze (Cavungo e Macondo). As toras de madeira são exportadas para consumo do litoral e exterior do país e uma parte também é utilizada localmente.

A população também se ocupa do artesanato, como a olaria de barro, fibras e escultura, que é vendido sobretudo nos mercados.

Natureza

Esta região apresenta uma rica flora, com uma vasta diversidade de árvores.

Em algumas árvores da província, tais como mussixi, mumanga, muvuca, mussamba, mucuwe, entre outras, as abelhas aproveitam o suco após a germinação das flores, para transformar em mel. Este mel é conhecido pelas suas características medicinais.

Encontram-se ainda vários animais, como a onça, nusse, lebre brava, pacaça, elefante, palanca, entre outros.

No Moxico encontram-se grandes manchas florestais com espécies de valor comercial assinalável e extensas anharas, com revestimento vegetal dominado por comunidades herbáceas, por vezes com galerias florestais pouco desenvolvidas ao longo dos rios. A floresta densa seca e a floresta aberta com savana são também frequentes nesta zona.

No Alto Zambeze surge, para além de uma parte que é extensão da peneplanície de relevo suave do centro leste, uma linha de elevações (Calunda) com mais de 1500 metros de altitude, a mais notável de toda a província, onde se encontram rápidos e cachoeiras, realçando-se o belo cenário paisagístico proporcionado pelas Quedas do Luizabo.

Rios

Na parte Oeste Sudoeste (W-SW) encontram-se os rios Kuito e Kanavale, que drenam para o Kuando.

Na parte norte, a linha de festo que se desenvolve de oeste para leste, marca a divisória de águas das duas grandes redes hidrográficas: a do Zaire, com o seu afluente Kassai, a do Zambeze, com os seus afluentes Luena, LunguéBungo, Chifumaje, Lumeje e Lumbala.

Estes rios apresentam muitos meandros que, por vezes, se confundem com lagoas que permitem actividade piscatória importante para a vida das populações.

 

A Visitar

Festas

As festas da Cidade acontecem em Setembro. Uma das principais festividades regionais é a Mukanda (Circuncisão).

Gastronomia

Alguns dos pratos típicos são os cogumelos frescos e secos, funge de bombó e pratos com carne seca e fresca.

PATROCINADORES